Imagem do título
História E TRADIÇÔES
Aqui historiamos, como num panorama, a trajetória de nossa Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Direito da USP, desde sua fundação em 1931.
  • Tradições
  • 06. Há 21 anos falecia o criador do Sanduiche Bauru
  • Certa noite, chegando ao Ponto Chic ele disse: "hoje quero receitar um sanduíche que atenda à alimentação perfeita. Vou lançar aqui um sanduíche novo com hidrato de carbono (era o pão); gordura (era a manteiga que o pão recebia); proteína (era a carne, de preferência rosbife); fatias de queijo derretido e legumes (folha de alface e tomate)". Acredito que depois o Ponto Chic foi colocando outros atrativos de acordo com a preferência dos clientes e o sanduíche ganhou a denominação de Bauru, porque era o que o Bauru lançou e ficou sendo o que todos pediam, pois tinha os bons componentes alimentares, por meio de vitaminas, sais minerais, etc.

    A Trajetória de Casimiro

              Em sua infância e juventude em Bauru (Casimiro nasceu em 5 de abril de 1914) brincou pelas ruas da velha Capital da Terra Branca e já na idade escolar estudou no São José e no Guedes de Azevedo durante três anos cursou o ginásio. Posteriormente, em São Paulo, terminou a fase do ensino secundário. Em 1931 prestou vestibular na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, formando-se em 1936.

              Em 1932 participou do histórico movimento revolucionário, integrando o Batalhão 14 de julho da Faculdade de Direito. Antes mesmo de vestir a farda, escreveu em seu bibi (espécie de pequeno chapéu de pano feito pela sua mãe) o nome que sempre trazia no coração, Bauru. Daí nasceu o apelido pelo qual era conhecido.
    Terminada a Revolução, formado, passou a exercer a advocacia e em 1938 ocupou o cargo de auxiliar de Gabinete do então secretário da Justiça, César Lacerda de Vergueiro. De 1939 a 1941 foi oficial de gabinete do governador Adhemar de Barros e em 1938 foi nomeado titular do Cartório de Paz da Vila Maria. Iniciou-se na vida radiofônica e por alguns anos foi o titular absoluto do famoso programa noticioso, Repórter Esso, que era transmitido em horários definidos, mas que podia a qualquer momento entrar no ar, desde que surgisse uma notícia importante e de interesse nacional.

              Em 1945 passou a ser o diretor comercial da Rádio Panamericana, posteriormente diretor financeiro da TV Record, isto até 1981, quando então adoeceu, vindo a falecer.

              O seu prematuro desaparecimento foi muito lamentado em São Paulo, pois era um nome de destaque no setor do rádio, da televisão e na vida social paulistana.

              Em Bauru, seu nome foi perpetuado em um viaduto da rodovia Marechal Rondon, sobre a Avenida Nações Unidas.

              Nota: Esta matéria foi extraída de ampla reportagem a respeito do AA Casimiro Pinto Neto, turma 1936, publicada no "Bauru Ilustrado", suplemento mensal do Jornal da Cidade", de Bauru.